por Wilian Delatorre

Wilian Delatorre > Agência de Turismo
Passagens Aéreas > Passagens Aéreas com Milhas>
Hotéis > Seguros > Locação de carro

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Road Trip - Estados Unidos & Canadá - por Celso - Continuação Parte I

continuando....
TORONTO - MONTREAL - QUEBEC - LOS ANGELES - LAS VEGAS - parte I/III


Fomos direto ao terminal da Hertz para pegarmos o Mercedes C 300 que aluguei. Reserva confirmada carro não disponível. Após alguns minutos o funcionário informara que não tinham o carro preto solicitado muito menos o Mercedes! Trouxe o gerente da loja e fomos ao estacionamento onde me foi oferecido um Chrysler C 300 preto. Disse que não aceitaria, pois isto era um downgrade de carro. Então me foi oferecido um seda Volvo S 60. Disse que seria pequeno pelo meu volume de bagagem (blefe). Então me foi oferecido uma perua Volvo V 60. Eis que olho de lado e vejo um Volvo S 80 T 5 branco. Perguntei sobre este veículo e fui informado que ele tinha chegado naquele dia e ainda não tinha sido locado! Pensei que chato! Delicadamente informei que gostaria desse carro. Fui informado que diante do ocorrido teriam que me dar o S 80, mantendo todas as condições inclusive devolução em Montreal. O carro tinha 15 km. e foi devolvido com 2700 km.

Volvo S 80 T 5

Esse incrível carro, com controle de temperatura dos bancos, ar condicionado individual digital, sensores de veiculo lateral, câmera traseira, sensor de piloto automático e tudo que você puder imaginar, num leve toque no acelerador atingiu 160 km/h num descuido meu. Se você não guiá-lo obrigatoriamente no piloto automático, sempre ultrapassará em muito o limite máximo de velocidade, o que pode lhe gerar sérios problemas. Velocidade máxima em auto estrada no Canadá – 100 km/h. E foi com ele que nos dirigíamos ao Hotel Ritz Toronto, o segundo melhor de Toronto e uma referencia mundial em hotelaria.

Hall do Hotel Ritz Toronto

O serviço é impecável, os funcionários altamente treinados, polidos e com preços igualmente intensos como a atmosfera de glamour que existe no local. Não oferecem nenhum mimo ao hospede. Tudo é cobrado. Foi minha primeira hospedagem na rede Ritz, mas considerando o custo e o benefício não seria minha primeira futura opção. Mesmo assim foi glamouroso.

Quarto do Hotel Ritz Toronto

Terminando nossa visita a Toronto que já conhecíamos, iniciamos nosso tour pelo Canadá. Colocamos o S 80 T 5 na estrada. Chegamos a Rockport para fazermos o cruzeiro pelas Mil Ilhas, com duração de 1 h, existindo outras opções. Colocamos de volta o S 80 para atravessar a província de Ontário indo até Quebec City em Quebec. Os 800 km entre Toronto e Quebec foram imperceptíveis pelo conforto do veículo, numa estrada sem grandes atrativos, com áreas de conveniência e abastecimento na pista a cada 40 km em media, indo pela E 501 e Autorote 20. No Canadá há farta oferta de Wi-Fi free em múltiplos estabelecimentos e em áreas públicas, inclusive Edmonton em Alberta tem downtown totalmente coberto por Wi-Fi. Não há necessidade ou obrigatoriedade de comprar chip local no Canadá.

Fairmont Chateaux du Frontenac

Chegamos a medieval Quebec City, que já na periferia não tinha nenhum papel no chão na rua e o charme dos locais tem outro colorido quando você fica no icônico hotel Fairmont Chateaux du Frontenac.
Chegamos ao hotel e solicitei um quarto conforme pedido na reserva perto do elevador. Ouvi esta sequencia de palavras> Não dispomos no momento de um quarto perto do elevador como solicitado, entretanto lhe daremos hospedagem no padrão Fairmont Gold sem custo. “ E que benefícios inclui o padrão Fairmont Gold?” O Sr. terá direito a Breakfast diariamente, com acesso ilimitado e gratuito ao nosso lounge ( excluindo bebidas alcoólicas ) e acesso ilimitado a internet com 8 Mb. de velocidade de conexão. Como assim, o café da manha será gratuito? Sim, o Sr. recebera tratamento Fairmont Gold! (Num primeiro momento nem acreditei, rsrsrsrs ). O inocente ainda perguntou se eu aceitaria!!! Rsrsrsrsr
Check-in Frontenac


Vista do Frontenac

Deixamos Quebec encantados com sua beleza e limpeza, um destino que vale a pena conhecer. Fomos a Montreal pela autorote 40, muito mais deserta que a autorote 20, com postos muitas vezes fora da pista, porem o silencioso Volvo S 80 sobrava em potencia para rapidamente percorrermos algo como 240 km em estrada muito conservada.

Chegamos a Montreal e nos hospedamos no Sofitel, cujo breakfast só pode ser solicitado através de combos onde você é obrigado a pagar por algo que não deseja ( tem ovo em todos os combos) e com custo acima da média.

Apto do Sofitel

Jantamos uma única noite no hotel, com serviço Frances e preços muito acima de outros hotéis da rede Sofitel que nos hospedamos. Não indico este hotel. Hotel limpo, com staff eficiente, mas custos anormalmente altos para o hotel que neste caso é um 4*.
Montreal tem nas fotos algumas atrações exibidas e o maior shopping Center subterrâneo do mundo com 15 km. de extensão e mais de 4.000 lojas, UNDERGROUND CITY.

Underground City

Conhecer foi bom, mas um destino de visita única. Sua melhor atração é sem dúvida o BIODOME.
BIODOME

Catedral de Notredrame

Circuito Gilles Villneuve

Chegou a hora de deixarmos Montreal e devolver o Volvo no aeroporto YUL – Pierre Eliot Trudeau que fica em Dorval, mas voltaríamos a voar com a Air Canada, uma empresa de padrão superior e de longe a melhor de toda América do Norte. Nosso lounge era no terminal de transborder (somente voos US-CANADA), mas mesmo assim havia farto Buffet com bebidas Premium a vontade e conexão com a internet de 8 Mb.


O lounge tinha estrutura imensamente superior a qualquer dos lounges da United. Enfim era chegada a hora de deixarmos mais uma vez o Canadá, um pais com povo polido, gentil, receptivo ao turista. Canadá é sinônimo de limpeza e viagem espetacular. Visite o Canadá e de um upgrade na sua vida. Em breve voltaremos ao Canadá na exuberante British Columbia. Decolamos num A 319 rumo a Los Angeles em voo de 6 horas, em classe executiva, numa poltrona que reclinava pouco, mas com serviço de catering que tornou menos cansativa a viagem. Na segunda parte relatarei a chegada ao Aeroporto Internacional de Los Angeles e o desenrolar da viagem.