por Wilian Delatorre

Wilian Delatorre > Agência de Turismo
Passagens Aéreas > Passagens Aéreas com Milhas>
Hotéis > Seguros > Locação de carro

terça-feira, 2 de setembro de 2014

DOH-BKK-CDG-LIS-MAD-GRU - Parte II - por Celso

2º parte do relato da emissão.

5- A emissão específica de volta
A viagem, com emissões obrigatórias em classe superior, de volta será dos Emirados- diante das exclusões e condições impostas – haveriam as seguintes opções-
5.1. QATAR – AIR FRANCE ou KLM – Os voos de tanto de DXB como AUH via DOH tem disponibilidade somente em First class de somente 02 assentos por voo, mas com vários voos por dia para CDG ou LHR, apenas. Logo, optando por essa emissão ao custo inicial de 30.000 milhas por passageiro haverá necessidade de emitir XXX-LIS em outro bilhete ao custo de mais 18.750 milhas por bilhete. Para o primeiro bilhete há disponibilidade diária, em múltiplos voos em First, porém somente num voo não há necessidade de pernoite em Paris, o mesmo se optarmos por LHR (Londres). Neste ultimo caso a saída seria por AMS. Sua bagagem despachada fica restrita a 50 kg. por passageiro em First e 64 Kg. (2x32kg) na Business intra europeia. Seria uma dispendiosa opção, com disponibilidade diária. O custo do trecho seria 48.750 milhas por passageiro, se for a LIS.
5.2. AIR FRANCE – pura – o trecho DXB-CDG não tem disponibilidade.
5.3. KLM pura- o trecho AUH-LIS tem disponibilidade variável sempre de no mínimo 4 lugares em executiva. Custo total de 22.500 milhas por passageiro. Inconveniente nebrasca em AMS e voo na executiva europeia que tem a mesma configuração da econômica com bloqueio do assento do meio.
A emissão do trecho UAE>Europa em princípio parece ser a de menor disponibilidade e maior dificuldade.

6-A volta da Europa para o Brasil
A viagem, com emissões obrigatórias em classe superior, de volta partirá de LIS ou OPO para o Brasil com as seguintes opções-
6.1. AIR FRANCE–Os voos de LIS para CDG tem pouca disponibilidade em C. Os voos de CDG para GRU tem disponibilidade variável. Parece que de tempos em tempos o SMILES negocia assentos com a AIR FRANCE. Aqui a emissão em C ao custo de 52.500 milhas por passageiro, dependeria da disponibilidade. Havendo disponibilidade seria segunda opção. Inconveniente nebrasca em CDG em janeiro.
6.2. Ibéria – pura – o trecho LIS-MAD-GRU tem disponibilidade para até 4 passageiros no mesmo voo, ao custo de 59.000 avios por passageiro. Não há risco de nebrasca. Seria a última opção. Voa com o velho A342 com configuração antiga.
6.3. TAP pura- o trecho OPO ou LIS-GRU tem disponibilidade variável sempre de no mínimo de 2 e raramente 4 lugares em executiva. Custo de 50.000 milhas por passageiro. Voo direto na TAP, empresa Skytrax 3*. Havendo disponibilidade seria primeira opção.

E chega a hora da emissão..............
Para minha surpresa entre o Natal e o Réveillon, este ano, a Qatar só abriu disponibilidade num único dia exceto se optarmos por voar na noite da virada (pode ser que futuramente abram outros dias). Surpresa maior quando não abriram disponibilidade para DXB ou AUH, nesse período em nenhuma classe, em nenhuma data.
Com 400.000 milhas no Smiles precisar desovar e como milha boa é milha voada, pesquisei a partir de DOH, quais seriam os destinos e voos disponíveis com a Qatar em classe superior e notei farta disponibilidade. Diante disso, juntamente com a esposa decidimos passar o Réveillon em.................................. Bangkok. Emiti dois bilhetes em classe executiva com a Qatar ate BKK com escala em DOH. Nossa ida aos Emirados ficará para outra oportunidade.
Bilhete emitido, aguardo a abertura de disponibilidade de retorno (cuidado, não faça o que fiz a menos que disponha de farta quantidade de milhas como tenho ainda neste momento no Executive Club, Smiles e Tap). Pretendo agora ficar no máximo 7 dias em Bangkok e retornar ainda na primeira semana de janeiro para a Europa (altíssima temporada também com alta ocupação nos voos ).
Todo planejamento para os UAE não pode ser executado pela falta de disponibilidade. Poderia aguardar, mas diante da entrada da Qatar na ONEWORLD não sabia se poderia desovar no futuro tantas milhas na Qatar que estavam no Smiles. 75000 milhas One Way, por bilhete em executiva, para Ásia pela Qatar é barbada......... não se pode perder! (não sabia na época que a tabela do Smiles iria aumentar o valor para emissão!)

Agora vejamos a volta ate LIS.
Opções-

1- AIR FRANCE – BKK-CDG-LIS
2- KLM ---- BKK-AMS-LIS
3- QATAR+AIR FRANCE, QATAR+TAP ou QATAR+IBERIA (Emissão de 2 bilhetes por passageiro)
Qual não foi minha surpresa quando não abriu nenhuma disponibilidade em classe superior de BKK para a Europa antes de 15 de janeiro em nenhum dos programas de fidelidade citados. Bem e agora?

Agora a saída encontrada foi emitir um bilhete ONE WAY através do Executive Club com a Malasya Airlines, companhia Skytrax 4* (no momento da emissão não havia ocorrido o acidente com nenhum dos 777), de Bangkok para Kuala Lumpur, em classe executiva, por 30.000 avios, sendo que se fosse emitir Star pela TAP gastaria 100.000 milhas e seria obrigatória emissão round trip perdendo a volta. Kuala Lumpur foi o único destino na Ásia, próximo a Bangkok, que não precisava de visto e permitiria retorno a Europa com emissão feita através de milhas na primeira semana do ano. Após 15 de janeiro havia disponibilidade de vários destinos para retorno a Europa direto ou via DOH.
Voaríamos no 738 de BKK>KUL, da Malasya Airlines com conexão imediata no 772ER da Air France para CDG e nova conexão 6 horas após para LIS com o A 320 da Air France, todos os voos em executiva. Consegui voltar da Ásia exatamente na data que desejava.
A turbulência política em Bangkok e o golpe de estado foram posteriores inclusive as minhas reservas confirmadas de hotel.
Chegada em Lisboa e a emissão de volta ao Brasil tem disponibilidade em executiva nas datas que gostaria. Mas optei por emitir com a Ibéria, em executiva no A 320 até Barajas e no A 346 até GRU, pois o assento do A346 é full flat bed (o da TAP não é) e conheceria o lounge mundial da Ibéria no T4 S que dizem ser bom.
Bilhetes emitidos e pra variar outro tombinho, o A346 não está mais voando nesse voo (temporariamente parece!) e o velhíssimo A343 assumiu o voo com assento é lie flat! o que não queria.
Entretanto do momento da emissão até hoje, Doha inaugura seu novo aeroporto internacional. Hamad International Airport, com investimentos de 34 BILHOES de reais, capacidade de 50 milhões de passageiros ano e quando concluído 100 milhões de passageiros ano. Tem a pretensão de ser eleito de imediato o melhor aeroporto do mundo, contando com sofisticações que o aclamado Changi Airport de Cingapura não possui. Veja aqui do que falo > http://dohahamadairport.com/ . Fico na expectativa de como será o lounge.......
Neste momento que escrevo este texto já emiti minha futura viagem a Londres, Paris e aos Emirados, mas agora em First Class. Isto será outra viagem.
Aguardo a viagem para relatar o ocorrido.


DOH-BKK-CDG-LIS-MAD-GRU por Celso

Olá Pessoal! Segue mais uma sensacional emissão de bilhetes internacionais com o Mestre Celso.

Emissão com milhas onde o planejado e o que será realizado diferem muito.

1- A escolha do destino

Tínhamos que escolher um destino para viagem após o Natal de 2.014, com clima quente na época, pouca chance de chuva no período, tivesse infraestrutura top para receber o turista, ao menos boa relação custo benefício para a época e se possível festa no Réveillon com fogos. Minha esposa condicionou que na volta passássemos por Portugal para conhecer Fátima. Fossemos a Serra da Estrela degustar seus queijos.... Entretanto o destino a ser escolhido não poderia ser USA, por opção. O destino escolhido foi os Emirados Árabes Unidos – visitando especificamente dois deles, Dubai e Abu Dhabi. De lá retornaríamos a Portugal e ao Brasil. Isso preencheria a nossa vontade.

2- Escolhido o destino, passaporte validos para mais de 6 meses da data de regresso, começamos a checar condições de visto. Os Emirados requerem visto de brasileiros mesmo a turismo por qualquer período superior a 96 h. emitido previamente e para períodos inferiores podemos solicitar no próprio aeroporto, correndo riscos. Quem chega pela Emirates tem seu visto obtido pela própria companhia. Não será nosso caso. Tinha muitas milhas no Smiles e precisaria gasta-las. Tenho muitas milhas no cartão que posso debitar a qualquer momento na conta TAP Victoria, Smiles ou Executive Club (via Ibéria). Acaba de aparecer uma promoção da Accor com a Ibéria multiplicando a pontuação por 3x. Achei interessante e tinha 60.000 pontos na Accor que virariam 180.000 no Ibéria Plus que irão para o Executive Club da British Airways que permite emissão ONE WAY na Oneworld. No nosso caso entre as situações possíveis o visto poderia ser solicitado e emitido pelo hotel, mediante pagamento de taxas e outras condições especificas (além do custo do visto para UAE há bloqueio de valor no seu cartão de crédito no valor de 5.000 AED--US$ 1.350), por passageiro, que lhe é automaticamente liberado somente após deixar os Emirados). Portugal não requer visto para turismo de brasileiros.

3- Estratégia com 3 frentes
Gosto de ter opções para poder emitir e não ser surpreendido com falta de disponibilidade de assento. Lembrando que estaremos viajando na altíssima temporada. Teria como emitir ONE WAY pelo Smiles, pela Star Alliance somente com a TAP ou com a ONEWORLD via Executive Club.
Exclusões –
a- Impossível viajar com a TAP ONE WAY no sentido GRU>LIS ou OPO. Eles inventaram taxa de serviço, somente nesse sentido que carrega os 2 bilhetes com algo como quase US $ 800 de taxas extras injustificáveis.
b- Impossível viajar com a BRITISH AIRWAYS ONE WAY no sentido LHR>GRU e também em qualquer rota que inclua decolagem de LHR. Eles inventaram taxas que carregam os 2 bilhetes com algo como quase US $ 2000 de taxas extras.
c- Não emitiria com a TAP para empresa da Star Alliance, pois nesse caso não é permitido emitir ONE WAY pela metade das milhas e precisava gastar as milhas do Smiles. No programa Ibéria Plus ocorreria o mesmo problema o que me obrigou a transferi-las ao Executive Club onde é permitido emissão ONE WAY.

4- A emissão específica de ida

A viagem, com emissões obrigatórias em classe superior, de ida seria até os Emirados- diante das exclusões e condições impostas – haveriam as seguintes opções-
4.1.QATAR – pura – Os voos de GRU a DOH tem disponibilidade em executiva de somente 02 assentos por voo. Nunca há disponibilidade de voo para Dubai. Quando você pesquisa melhor nota que entre DOH e DXB não há executiva. Logo, optando por essa emissão haverá necessidade de emitir GRU>DOH e outro bilhete DOH>DUBAI. O segundo trecho tem disponibilidade diária, em múltiplos voos, tanto em econômica como em First. O voo dura duas horas. Se você emite em econômica no segundo trecho sua bagagem despachada fica restrita a 30 kg. por passageiro e em First a 50 kg. O primeiro trecho custa 67500 milhas o segundo 25.000 milhas em First ou 12.500 em econômica. Temos o cartão Priority Pass que nos dá acesso à sala Business Orix da própria QATAR Airways do Terminal Premium de Doha. Entretanto, a QATAR já foi eleita como a melhor companhia aérea do mundo, continua sendo empresa Skytrax 5* tem no seu Premium terminal um lounge de First Class espetacular. Seria nossa primeira opção. O custo do trecho seria 92.500 milhas por passageiro. Nisso aparecem algumas surpresas: 1- Dubai tem dois aeroportos internacionais, DXB – Dubai international airport e DWC – Dubai World Center 2- Se a conexão em Doha durar menos que 24.00h com o passageiro restrito ao terminal não há necessidade de visto. Nisso ao buscar as opções para a QATAR a partir de DOH, eles voam para DXB, DWC, AUH (Abu Dhabi) e SHJ (Sharjah – outro emirado do total de 7). Isso seria importante para obtermos maior disponibilidade. O trecho inicial tem disponibilidade para emissão ate DOH na 2@ e 3@ sempre e na 4@ ocasionalmente.
4.2. AIR FRANCE – pura – o trecho GRU-CDG tem disponibilidade variável porem se aparece há sempre no mínimo 4 lugares em executiva nas 2@,3@ e 4@, e no segundo trecho CDG-DXB (apenas) há farta disponibilidade diária na mesma classe. Custo de 75.000 milhas por passageiro. Inconveniente nebrasca na Europa.
4.3. IBERIA-AIRFRANCE- o trecho GRU-MAD tem disponibilidade sempre de no mínimo 4 lugares em executiva nas 2@ e 3@, e no segundo trecho MAD-DXB (apenas) há farta disponibilidade diária na mesma classe. Custo total de 72.500 milhas por passageiro. Inconveniente nebrasca em CDG e voo na executiva europeia que tem a mesma configuração da econômica com bloqueio do assento do meio. Inconveniente Ibéria opera o velho A 342 na rota em alguns voos.
4.4. IBERIA-KLM- Custo total de 72.500 milhas por passageiro. GRU-MAD e segundo bilhete MAD-AMS-DXB. Inconveniente nebrasca em AMS e voo na executiva europeia que tem a mesma configuração da econômica com bloqueio do assento do meio. KLM tem disponibilidade para AMS-AUH.
4.5. BRITISH – QATAR ou KLM. GRU-LHR 60.000 avios por passageiro em C ou 90.000 em F, mais 30.000 por passageiro pela Qatar em F ou 22.500 pela KLM em C.. O custo final por passageiro seria no mínimo em C 82.500 até 120.000 dependendo da combinação. Inconveniente nebrasca em Londres. Há possibilidade de emissão no primeiro trecho e vários voos com disponibilidade no mesmo dia no segundo trecho.
4.6. Outras opções implicariam em custos maiores, pernoites na Europa, etc.
Como Abu Dhabi dista 150 km Dubai e este emirado dista 20 km de Sharjah, fui verificar os hotéis e seus valores para não ser surpreendido. Tínhamos decidido que ficaríamos no Sofitel e utilizaríamos pontos do programa Accor para pagamento de diárias. Havia para DXB e AUH uma promoção onde 3 diárias tinham 25% de desconto e 4 diárias tinham 30% em ambas as cidades. A ideia inicial seria ficar 4 dias em DXB e 4 em AUH sendo que o custo do hotel em DXB seria quase o dobro. O litro de gasolina nos U.A.E. custa US$ 0,40 e um único bate volta de AUH ate DXB não seria nada impossível na estrada excelente e calibraria o roteiro caso necessário. Percebi que o valor do Sofitel AUH depois de 2 de janeiro despenca. O Sofitel Dubai (há mais de 1) tem valor fixo que aumenta somente na noite de 31 de dezembro. Iríamos, a principio, ficar em Dubai e após conhecer AUH. Tanto a Accor quanto a Ibéria hotel partners tinham promoções que reduziam em muito o custo dos hotéis. A vantagem da Accor é permitir inclusive o pagamento de despesas com vouchers. A obtenção de vouchers com pague contas pode reduzir em até uns 40% o custo final de diárias e despesas, pois adquirir os pontos custa próximo da metade do valor nominal do voucher. Esses pontos no Ibéria Plus servem inclusive para ter opções de hotéis a preço vantajoso (Chamou-me atenção os baixos preços em Avios do Ritz e Jumeriah Etihad Towers oferecidos no programa de partners da Ibéria). Vamos monitorando o que ocorre com as disponibilidades.