por Wilian Delatorre

Wilian Delatorre > Agência de Turismo
Passagens Aéreas > Passagens Aéreas com Milhas>
Hotéis > Seguros > Locação de carro

terça-feira, 21 de julho de 2015

Londres, Dubai, Abu Dhabi, Paris - Por Celso - Parte Final

Uma atração de nível mundial é o Ferrari World, na Yas Island, parque coberto refrigerado desde a entrada. Atrações maravilhosas incluem duas montanhas-russas. Formula Rossa- mais rápida do mundo, atinge 240 km/h em 5 seg. A Fiorano GT Challenge mais branda. O G-Force é elevador de queda livre com 62 m. Compre entrada rápida para acesso rápido as atrações. Assista aos filmes, Speed of Magic, Viaggio in Itália, cinema em HD, fazendo um belo sobrevoo pela Itália, passando por diversas regiões do país (muito interessante). Passeio imperdível. Yas Mall é o mais novo mall de Abu Dhabi junto ao Ferrari World.

Ferrari World

Marina Mall Abu Dhabi é o maior mall local e possui fonte musical, área que chove com trovões. Todos os preços nos shoppings de Abu Dhabi, para o mesmo produto eram inferiores aos de Dubai. Encontramos lojas de grife em promoção o que não ocorreu em Dubai.

Grand Mosque

Sheikh Zayed Grand Mosque, Sétima maior mesquita do mundo, um patrimônio dos Emirados, sendo imensa e na visitação há regras que podem ser obtidas no site, inclusive com horários exatos para visitação. Linda!

Hospital de Falcões- Comprada visita guiada não conseguimos fazer, pois nosso GPS não encontrou o local nos levando no meio do nada e não tinha o maldito mapa impresso justo desse local. Perdi USD 100. Um tremendo mico! rsrsrs.

Mushrif Mall é pequeno e comemos algo no Tim Horton's, o fast food ícone do Canadá (mas não tem o maravilhoso sabor das lojas do Canadá, não!) e numa loja defronte ao Lulu Hypermarket compramos caixa de Tamara da Arábia Saudita recheadas.


Estava na hora de iniciarmos o check out e o retorno a Europa rumo a Paris via Doha com a Qatar Airways. Saímos de Abu Dhabi de carro rumo a Sharjah distante aproximadamente 180 km.

Etihad Towers

Fomos nos despedindo da Etihad Towers e rumamos a Sharjah com amplo tempo para iniciarmos nosso voo até Doha. Após 1 hora e pouco chegamos a Dubai, mas eu não contava com um transito infernal até Sharjah que para percorremos os últimos 30 km. levamos mais de 2 horas. Se não tivéssemos saído com imensa antecedência teríamos perdido o voo. Nosso plano inicial seria aguardarmos no Al Majaz Waterfront em Sharjah assistindo show musical da fonte e aproveitaríamos um café no Tim Hortons.

Claro que isso foi impossível e chegamos com tempo, mas tensos por eventualmente perdermos o voo. O First Class lounge em Sharjah é muito simples. Partimos com a QATAR até Doha onde com o A380-800 iriamos de volta a Paris.

Duplo finger no Hamad Airport para o A 380

Tanto no voo curto como no maior até a Europa a Qatar oferece serviço consistente e acima da média em todos os quesitos. Chegamos a Paris e novamente nos hospedaríamos no Novotel Paris CDG Terminal por somente dois dias. Planejei ir ao Museu D´Orsay mas minha esposa queria um óculos novo. Acabei indo na Chopard e nada de Museu! Queria ir no Restaurante Mini Palais que se encontra no Grand Palais para comer um Baba ao Rum. Acabei comendo uns macarrons da Ladurée!

A história das Galerias de Paris você pode obter na internet. Hoje ainda existem 17 e queria conhecer a Galerie Vivienne. Essa beleza arquitetônica ainda tem o romantismo e o glamour que Paris exibe na sua melhor forma.

Galerie Vivienne

Aproveitamos o outro dia e fomos a Printemps para pequenas compras e de lá ao Café no La Grande Epicerie um mercado espetacular semelhante ao St. Lawrence de Toronto ou ao Grand Ville Island de Vancouver ou ao Farmers Market de Los Angeles. É imperdível! ,



Outro fantástico mico estava no meu caminho. Eu não falo nada de Frances. Tomamos o RER um trem suburbano que liga essa região ao aeroporto Charles de Gaulle onde estava nosso hotel. Na última parada ficava o aeroporto nessa rota. Mais o menos no meio do trajeto iriamos descer para conhecer o Musée de l'Air et de l'Espace- em Le Bourget. O trem ia estação a estação fazendo suas paradas. Na estação anterior a Le Bourget o trem fica parado. Comento com minha esposa a demora para partir. No auto-falante dizem várias coisas. Pois bem, o trem parte, parte mesmo só que direto até a última estação pulando nossa parada!....... rsrsrs viva a ignorância. Se tivesse fluência teria descido e no trem seguinte ido ao destino. O passeio foi perdido!

Chegamos ao hotel e nos preparamos para a noite tomarmos nosso voo de retorno ao Brasil com a Air France, uma empresa que vem ano a ano piorando na prestação de serviço e o que outrora já foi maravilhoso hoje está na média.

Lounge Air France CDG terminal E

Decolamos rumo ao Brasil, onde nós guardamos na memória muito da alegria, do diferente mundo que vivemos.

domingo, 12 de julho de 2015

Londres, Dubai, Abu Dhabi e Paris - Parte III - por Celso

Continuação....

Burj Khalifa

O Miracle Garden Dubai visto na internet parece até muito interessante, in locu é um jardim com flores num deserto, nada mais!



Jumeirah Beach, a região conhecida como The Walk com seus inúmeros bares, restaurantes e lojas e o Burj Al Arab são visitas obrigatórias lembrando que no último não é permitido entrar sem reserva de ao menos de um restaurante ou casa de chá. Há rígido controle na entrada.
Miracle Garden

Complexo Madinat Jumeriah

O Complexo Madinat Jumeirah, junto ao Burj Al Arab, com lojas, restaurantes e um Souk Madinat Jumeirah é passeio muito, muito bonito e visitar de abra pelo canal do complexo com vista do hotel é o destaque do local. O Restaurante Times of Arábia tem ótima cozinha libanesa e solicitar uma mesa no terraço de frente para os canais lhe premiará com vista espetacular.

The Palm

Vá à ilha The Palm, conheça o Resort Atlantis The Palm que reúne, restaurantes, lojas e opções de lazer. No Mall of the Emirates curta o Ski Dubai. No BurJuman Centre, shopping pequeno com Saks Fifth Avenue, encontre a deliciosa Paul Bakery para um lanche gourmet no Ground floor. Preços na Saks muito superiores aos dos EUA.

Mall of The Emirates

Na internet há muitas avaliações espetaculares de Dubai, incluindo relatos do maior x do mundo, o maior y do mundo, a busca de recordes e mais recordes. Entretanto o que ninguém lhe diz é que Dubai expandiu-se recentemente, sua história é pequena e seu acervo pobre. Sua arte não tem reconhecimento mundial, suas mulheres são oprimidas pelo que há de mais retrogrado na condição humana. Na realidade todo esse ufanismo serve para encobrir o vazio que é Dubai. O espetacular Skyline recebe tantos turistas em função de marketing muito bem feito e relatos das qualidades da comida gourmet em muitos locais pode ser obtido em muitos outros locais do mundo a um custo muito menor e com muitos outros atrativos que Dubai não possui. Dubai é limpíssimo, seguro, seu povo educado com o turista e receptivo. Há uma arquitetura criativa e bonita nos prédios de Downtown que chama atenção pela beleza, opulência e originalidade. Dubai apresentou sérios problemas de caixa e o maior edifício do mundo foi comprado pelo Sheik Kalifa (Abu Dhabi), seu metrô pelo mesmo bilionário e muitos empreendimentos de Dubai são do Sheik de Abu Dhabi. Domínio de inglês lhe permite fácil comunicação ao menos em todos locais que fui. Sinceramente, para minha avaliação Dubai é destino para stop numa viagem; mas não para destino único e tem um agravante o clima insuportavelmente quente. Lembre-se que durante o período do Ramadan, por aproximadamente 30 dias, entre o nascer e o pôr do sol, não é permitido comer, beber e mesmo mascar chicletes em público inclusive para estrangeiros, estando muitos estabelecimentos totalmente fechados, inclusive shopping centers. Foi bom conhecer e não indicaria como destino único numa viagem.

Feito o check out rumamos a Abu Dhabi, um dos Emirados e capital dos Emirados Árabes Unidos. A estrada não tem no trajeto nenhum atrativo, lembra a I 5 no deserto de Nevada e o Lexus chegou ao destino após 1.10 min, podendo dentro da lei viajar a até 140 km/h. Fizemos nosso check in no Sofitel Abu Dhabi Corniche, outro 5 * da rede, onde desfrutamos do up grade de quarto e do acesso ao Clube Milesime. O Hotel é relativamente novo, com conservação excepcional e atendimento espetacular. Seu preço é menos da metade do Sofitel Dubai Jumeriah Beach, porém é muito mais luxuoso e agradável. Business Center completo com internet e estacionamento free. Preços fora da realidade para o naipe do hotel.

Sofitel Abu Dhabi Corniche

Nessa noite fizermos um Safári pelo deserto seguido de jantar num acampamento de beduínos. Comprado desta empresa - Eatours , passeio recomendado, mas a comida era horrível. O Safari é interessante mas sugiro procurar outra empresa. Eles lhe vendem o produto como sendo um acampamento de beduínos quando na realidade é algo montado para angariar dinheiro de turistas.

Acampamento no Deserto

Conhecer o circuito de Fórmula 1 Yas Marina Circuit onde realizamos o Venue tour nos bastidores do circuito foi passeio interessantíssimo. Façamos uma pausa importante aqui. Devido ao lobby publicitário, quando se fala em Emirados todos pensam somente em Dubai e ocasionalmente vão a Abu Dhabi e se vão fazem um curto bate e volta. Nós adoramos Abu Dhabi! O luxo e a excelência de serviços e atrações de nível mundial estão em Abu Dhabi, não em Dubai. Atente que Yas Island onde há grandes atrações está a 40 km do centro da cidade e acessível por autopista. Ter carro no destino é obrigatório. Esqueça utilizar taxi em Abu Dhabi. O tour no circuito também pode ser feito pilotando carros como um potente Aston Martin, com custos maiores. Passeio muito interessante e acesso à tecnologia de ponta onde lhe mostram câmeras que alcançam 850 m e mostram com perfeição um cone de sinalização com eventual dano, tamanha precisão das imagens. Circuito custou 13 bilhões de dólares.

Yas Marina Circuit

Yas Viceroy Hotel, o hotel do circuito, chama atenção pela beleza da arquitetura.

Yas Viceroy Hotel

Seguimos para um gostoso passeio no Yellow Boats que parte da Emirates Palace Marina e percorre em alta velocidade com seus dois motores de 200 HP. todo Skyline de Abu Dhabi downtown até o Palácio Presidencial. O filme Sex and City 2, imortalizou o Emirates Palace Hotel divulgando-o para o mundo (Na realidade utilizaram somente a fachada do hotel, todas as cenas do interior são de um hotel Kempiski do Marrocos). O Emirates Palace Hotel de Abu Dhabi teve custo de construção de USD 3 bilhões e fomos conhecê-lo jantando no Restaurante de cozinha árabe Mezlai, cuja reserva foi recompensada pelo maravilhoso Camarão HAMSAT que nos foi fartamente servido com sabor delicioso.

Camarão Hamsat
Continua.....





terça-feira, 7 de julho de 2015

Londres, Dubai, Abu Dhabi, Paris por Celso. Parte II

Continuando.....


A 380 da Qatar

Chegou a hora de experimentarmos o A 380 da QATAR em First Class até Doha. Após o check in fomos ao lounge La Première do T 1 do aeroporto Charles de Gaulle (cuidado não confundir com um lounge de mesmo nome da AIR FRANCE). Este lounge no T1 é horroroso! Os banheiros ficam do lado de fora e o catering é sofrível. A Qatar está construindo seu próprio lounge lá. Iniciamos e embarque e fomos ao andar superior do A 380 e ocupamos duas das 8 poltronas.

Drink de Boas-Vindas

Recebidos com champanhe Krug, com monitor full HD 23", entretenimento on demand, Full flat bed e catering on demand o A 380 super silencioso, decola rapidamente usando pouquíssima pista. O voo espetacular, sem nenhuma turbulência, termina com pouso eletrônico em Doha, ou seja, o avião pousa tocando levemente o solo, sem tranco ou interferência direta do piloto. Se ficou curioso veja no You Tube filme de voo do avião da Qatar.

A 380 Bar

O avião tem um imenso bar onde passageiros das classes superiores podem conversar, beber e petiscar se assim desejarem. O avião surpreende com banheiros de 6 m2. na First Class. Do caviar Ociestra ao Chocolate Valrhona e claro ao pedir uma sobremesa todas são da Ladurée. O voo até Doha foi uma sucessão de prazeres.

Lounge Al Mourjan

Chegamos a Doha e fomos ao lounge Al Mourjan nosso conhecido em viagem anterior e ele continua excepcional. Trata-se de um lounge de Class Executiva somente para passageiros da Qatar Airways (o lounge Al Safwa, exclusivo para passageiros de First Class da Qatar Airways ainda não está aberto). Este aeroporto, Hamad International Airport, custou 38 bilhões de reais, apto a receber atualmente 50 milhões de passageiros por ano, em 2016 na fase 2 comportara trafego de até 100 milhões de passageiros ano. O lounge Al Mourjan tem 10.000 m2. Caso tenha dúvida da veracidade desses números consulte no Google e os confirme. Um dos restaurantes do lounge tem serviço à la carte.

O lounge fornece serviços de qualidade em todas as áreas. Feita conexão, agora vamos de A 320 em First Class para Sharjah. Um voo curto rumo a um aeroporto no Emirado ao lado do Emirado de Dubai, que no total de 7 formam os UAE. Nosso carro foi entregue pela Hertz, num estacionamento escuro ao lado do aeroporto e fotografei com meu i phone o carro todo, inclusive o local de entrega que não permitia vistoria adequada do veículo para que não viessem a alegar dano ao veículo pré-existente.



Antes de embarcar tenha total conhecimento da lista de medicamentos com restrição absoluta para seu ingresso nos (UAE ) onde o porte de determinados medicamentos inclusive sem receitas em inglês podem lhe levar a prisão (cuidado mulheres que usam hormônios). Caso sua viagem prossiga a destino final onde o medicamento não exista, mas for permitido, isso deve estar atestado pelo seu médico em inglês. O uso de narcóticos é severamente controlado e nunca portar em quantidades excessivas mesmo que com receita médica em inglês. Isto está fartamente relatado na internet. Entretanto, entramos por Sharjah, um aeroporto internacional menor e exceto por foto de nossas Iris o ingresso foi totalmente tranquilo e nada nos foi perguntado.

Ficamos no Sofitel Dubai Jumeriah Beach um dos 3 Sofiteis de Dubai, junto a The Walk na Dubai Marina.

Vista do quarto do Sofitel Dubai

Esse 5 estrelas, tem atendimento excelente, tivemos up grade de quarto com vista da praia e acesso ao Club Milesime. O hotel não é tão novo e está bem conservado, mas algumas áreas já poderiam ter sido reformadas e seu real estado não é tão bonito como exibido na internet. The Walk é um calçadão cheio de lojas, restaurantes e muita diversão. A região é linda. A Marina é outro point de turismo de luxo. Aluguei um Lexus 460 na Hertz. O carro era bem novo, seu GPS foi o terror da viagem, inclusive não localizando muitos pontos de interesse. Apesar de ter levado meu GPS, por teimosia sofri com o do carro a viagem toda! Sempre levo mapa impresso dos locais mais importantes que tenho horário para chegar e quando necessário proava no GPS um ponto próximo. Alguns locais em Dubai nem o endereço da rua aparecia no GPS quanto mais o número. Fique atento. GPS do Lexus é on board, não é o Never Lost da Hertz. Mesmo o GPS Garmin com o mapa atualizado do Oriente Médio tinha imensa dificuldade em localizar e colocar previamente os endereços aonde iria. Resolvi isto proando sempre endereços próximos com a ajuda do Google Maps levando os mapas impressos para evitar a repetição de uma fenomenal desgraça que poderia ter ocorrido quando estava em Sidney – NSW no réveillon há anos atrás. Mapas off line no celular são muito úteis. Não confie totalmente e sempre no seu GPS. Eu discordo que pelo preço do taxi ser diminuto em Dubai não se deve alugar carro. Ter carro foi fundamental na viagem. Dubai é uma cidade plana cortada pela Rodovia Sheikh Zayed Road, com suas 14 pistas indo até o Emirado de Abu Dhabi.

Muitos pontos de Dubai não têm taxi e há locais sempre distantes. Tudo em Dubai é longe! Shopping pode estar a 25 km do seu hotel. Rodei muito e o custo do combustível foi desprezível e existem saliks (pedágios) ao custo de 5 dhs. cada. A sinalização nos Emirados sempre é feita em árabe e inglês no transito.

Chegando aos Emirados atente nos restaurantes sempre para pedir no garlic-no pepper, pois a pimenta e alho são usados em excesso. Dubai tem um Outlet Mall, o Dubai Outlet Mall que somente nas 2@ feiras dá desconto adicional de 50% somente para as mercadorias expostas do lado de fora das lojas. Trata-se de um Outlet com muitos produtos muito ruins e preços ainda assim caros para o brasileiro neste momento (1 USD= R$ 3,20). O discount book pago inclui apenas algumas lojas. Fica distante e não vale a pena.

Creek

Ir ao Creek, conhecendo o canal que divide o centro de Dubai. De um lado Bur Dubai e do outro Deira, onde a travessia nas abras, pequenas embarcações, partem da Bur Dubai Creek Station assim que lotam. Feita a travessia vá a pé ao Gold Souk onde há casas de câmbio com melhores cotações de Dubai. Tinha comigo Dólar americano, Euro, Dólar Canadense e Libra esterlina. Em todos os Emirados o câmbio para Dólar americano sempre tinha melhor cotação e para o Euro sempre era péssima a cotação. No mercado do Ouro as joias são vendidas por peso e pechinche! Comprei algumas joias para minha mulher e o preço final sempre foi ao redor de 65% do valor inicialmente proposto. O mercado do Ouro tem bom preço e comparado com São Paulo joias com design tem preço final de 1/3 do valor aproximadamente. Há muita coisa bonita e também brega. Ao lado vá ao Spice Souk onde são vendidos temperos, bugigangas, incluindo pachiminas. Nada nos interessou e os preços nos pareciam altos. O Dubai Mall, maior do mundo, tendo inclusive Galeries Lafayette, Bloomingdale’s, tem setor de luxo área denominada Fashion Avenue. No interior do mall há aquário com a maior tela de acrílico do mundo. Todos os preços praticados não eram convidativos para brasileiros. Junto ao Dubai Mall há o maior prédio do mundo, Burj Khalifa. Ir ao mirante no 124 ou no 142 andar de um total de 160 andares, depende de sua disposição financeira e a compra com antecedência pela internet reduz muito o custo do ingresso que ainda assim parece-me exorbitante. A entrada para a atração ocorre no piso LG do Mall, próximo à praça de alimentação. As dimensões do Dubai Mall podem lhe causar problemas. Para não parar seu carro muito longe procure pará-lo no P3 no estacionamento verde do Cinema. Com isso seu carro está perto da Torre, da Dubai Fontain, da Bloomingdales..... etc. Traga seu voucher e somente 30 min antes do horário marcado você poderá entrar na fila do detector para acesso ao elevador que é longe mas a fila para entrar no elevador é rápida. Após descer do observatório onde terá uma vasta visão do Emirado (procure o horário do pôr do sol para aprecia-lo), vá ao Show das Fontes de Dubai na área externa do mall. O tema do show varia e dura cerca de 5 min. Muito mais bonito que o do Bellagio de Las Vegas. Caso opte por jantar no Dubai Mall há inúmeras opções mas caras. Quero fazer uma pausa e lembrar ao leitor que todos os passeios de Dubai me deram a impressão de terem preço muito acima da média de outras cidades e passeio por volta do meio dia mesmo no inverno devem ser evitados. Na primavera nesse mês de abril, nesse horário temperaturas de 45 C com clima desértico ocorreram em alguns dias quando aferidas nas garagens cobertas de shoppings onde o carro ficou!

Continua.....

domingo, 5 de julho de 2015

Londres, Dubai, Abu Dhabi, Paris por Celso

Olá pessoal !
O incansável Celso nos brinda com mais um relato sensacional da sua última viagem.
Aproveitem !


Quando chega o Outono e os dias ficam como uma penumbra cinzenta no hemisfério sul em abril, junto com a tristeza que me acompanha é hora de ir aproveitar o esplendor da primavera do hemisfério norte. Com a esposa rumei a Londres. Chegamos no T3 em Guarulhos para embarque no 744 da British Airways que nos levaria em First Class até Heathrow. Feito o check in, utilizamos o lounge da TAM que as empresas da Oneworld passaram a utilizar no T3. Considerando ser um lounge mundial dentre os lounges mundiais que conheço é sem dúvida o mais fraco de todos excetuando o das companhias americanas, inclusive merece destaque a higienização deficitária dos dois toaletes que fui. Procuramos com nosso Priority Pass acesso ao lounge da Star Alliance até embarque no voo. Os bilhetes emitidos pelo Executive Club não têm as exorbitantes taxas de combustível somente no sentido GRU>LHR que a British impõe aos seus passageiros frequentes no sentido inverso. As mesmas taxas exorbitantes também não podem ser aplicadas em bilhetes round trip partindo do Brasil.

O 744 da British com seus 20 anos ainda mostra todo seu esplendor fazendo voo delicioso. Suas poltronas full flat bed tem Ottoman (descanso inferior para os pés) com espaço adequado. O Duvet aumenta muito a maciez da poltrona ao deitar. O Air Show antigo apresenta somente o básico. O entretenimento tem o padrão de anos atrás, mas não compromete.

Poltrona First Class British 744

Frente às fantasias e a fama da empresa o catering foi decepcionante. Não vale a pena esse serviço em First pelo preço. Chegamos ao Terminal 5 B de Heathrow e fomos ao agradável arrival lounge da British e desfrutamos de revigorante massagem no spa do lounge administrado pela Elemis Travel SPA.

Nosso transfer nos aguardava para levar-nos pontualmente ao Sofitel London Saint James. Apesar do seu custo alto (mas Londres tem diárias hoteleiras acima da média), sua excepcional localização valeria o investimento e como tenho benefícios pela fidelidade a rede Accor a discrepância diminuía. Londres é uma das cidades mais caras do mundo, que oferece muito, mas fique atento com despesas que são muito acima da média com transportes (hotel próximo ao metro é fundamental), alimentação e custo da hotelaria. O Staff nos acolheu com primor.

Lobby do Sofitel Saint James

Se nos destinos que aprecia busca segurança, um povo polido, distinto, com 5 monumentais parques reais tão maravilhosos como o Stanley Park de Vancouver ou o Central Park de New York City, Museus e Galerias espetaculares ( British e National) todos gratuitos como os de Washington D.C., Tulipas em inúmeros jardins como as do Butchart Gardens em Victoria na British Columbia ou uma vista de uma roda gigante (London Eye) como a Singapore Flyer, o estilo Victoriano apresentado em Melbourne - Victoria - Austrália por toda cidade, com bairros inteiros com prédios pintados na cor Magnólia, um metro velho mais impecavelmente limpo e conservado, passeios de barco pelo Tamisa como o Bateaux Mouche pelo Sena, Catedrais espetaculares como a Saint Paul e Westminster Abbey tão lindas como a Catedral de Montreal, transporte público limpo, eficiente e por toda parte, com serviços para todos os bolsos, com loja de departamento como a Harrods concorrente da David Jones, Blommingales, Pritemps.. com a Oxford Circus ou a Picadilly Circus tal como a Champs Elysee ou Rodeo Drive.... Com sítios dos ícones que descobriram a Penicilina, criaram Peter Pan, Diana Spencer, a realeza, Darwin, Churchill, James Bond, Elton John,..... O Big Ben..... Gente bonita por toda parte, isso é Londres.

Degustar o Chá das 5 na Fortnum & Mason é uma experiência única, com Macarrons como os do Pierre Herme de Paris.

Chá na Fortnum & Mason

Madame Tussauds alegra os mais jovens, apesar de algumas estatuas serem primorosas outras não gostei como a do Barack Obama. O Hyde park e Kensington gardens bem ao lado do belo Albert Memorial são garantias de um dia prazeroso..

A compra do Oyster Card, cartão carregável para acesso ao transporte público, conhecendo suas regras para deslocamento reduz significativamente o custo da viagem.

A troca de guarda no Palácio de Buckingham

O viajante mundial não pode ser avaliado se não conhecer entre outras cidades Londres! Partimos reconfortado com tanta opção maravilhosa que Londres nos ofereceu e o destino comporta retorno para respirar cultura, aproveitar serviços excepcionais e um povo encantador. Londres só não tem preços módicos para comprar nada. Falar de Londres seria interminável. Faça o roteiro que melhor combina com seus desejos, pois opções não faltam. Londres é considerada uma das 7 capitais mundiais, destino que não se esgota numa única viagem.

Big Ben

Anoitecia quando com a British iríamos num voo curto rumo a Paris. Check in rapidíssimo em Heathrow. Pernoitaríamos apenas no Novotel Paris CDG Terminal, pois pela manhã iríamos voar com a Qatar até Doha e de lá a Sharjah (um dos Emirados). O lounge da British para classe executiva- conhecido como Galleries é básico com o suficiente para um voo curto. O Novotel citado está ligado pelo CDGVAL (um trem automático) que conecta os terminais 1,2 e 3, estando o hotel neste último. A praticidade para o check in é enorme e o hotel já bastante desgastado fornece o básico para um pernoite.

Continua...